quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Pobre Alma do Tédio Esquisito / Confissão Minotaura, Homem-abismo

"As Confissões do Homem Minotauro" e seus primeiros poemas:


POBRE ALMA DO TÉDIO ESQUISITO
E se você dissesse: "querido, querido".
E se eu olhasse, querido, querido...
talvez assim, e só assim,
eu seria.
Talvez você também soubesse, e me compreenderia.
E se você quisesse, querido, querido,
e se você soubesse que sonhos me rodeiam...
Ainda assim eu seria feliz.



CONFISSÃO MINOTAURA, HOMEM-ABISMO

E quanto coração,

haja além-mar.
Dos meus dias em que desnudo meu espelho.
Voltou a verdadeira face a mim,
mas os sorrisos, eu juro,
esses nunca serão verdadeiros 
longe de você.
Mesmo que tudo,
mesmo que tudo!

Um comentário:

Leonardo Távora disse...

Pequenos esses poemas, mas extremamente fortes, capazes de mexer com a imensidão de sentimentos que povoam o ser humano.

São coisas assim que nos fazem parar pra pensar um pouco em nós mesmos.

Mto bacana!! Parabéns!!!